Páginas

Ser de esquerda é não aceitar as injustiças, sejam elas quais forem, como um fato natural. É não calar diante da violação dos Direitos Humanos, em qualquer país e em qualquer momento. É questionar determinadas leis – porque a Justiça, muitas vezes, não anda de mãos dadas com o Direito; e entre um e outro, o homem de esquerda escolhe a justiça.
É ser guiado por uma permanente capacidade de se estarrecer e, com ela e por causa dela, não se acomodar, não se vender, não se deixar manipular ou seduzir pelo poder. É escolher o caminho mais justo, mesmo que seja cansativo demais, arriscado demais, distante demais. O homem de esquerda acredita que a vida pode e deve ser melhor e é isso, no fundo, que o move. Porque o homem de esquerda sabe que não é culpa do destino ou da vontade divina que um bilhão de pessoas, segundo dados da ONU, passe fome no mundo.
É caminhar junto aos marginalizados; é repartir aquilo que se tem e até mesmo aquilo que falta, sem sacrifício e sem estardalhaço. À direita, cabe a tarefa de dar o que sobra, em forma de esmola e de assistencialismo, com barulho e holofotes. Ser de esquerda é reconhecer no outro sua própria humanidade, principalmente quando o outro for completamente diferente. Os homens e mulheres de esquerda sabem que o destino de uma pessoa não deveria ser determinado por causa da raça, do gênero ou da religião.
Ser de esquerda é não se deixar seduzir pelo consumismo; é entender, como ensinou Milton Santos, que a felicidade está ancorada nos bens infinitos. É mergulhar, com alegria e inteireza, na luta por um mundo melhor e neste mergulho não se deixar contaminar pela arrogância, pelo rancor ou pela vaidade. É manter a coerência entre a palavra e a ação. É alimentar as dúvidas, para não cair no poço escuro das respostas fáceis, das certezas cômodas e caducas. Porém, o homem de esquerda não faz da dúvida o álibi para a indiferença. Ele nunca é indiferente. Ser de esquerda é saber que este “mundo melhor e possível” não se fará de punhos cerrados nem com gritos de guerra, mas será construído no dia-a-dia, nas pequenas e grandes obras e que, muitas vezes, é preciso comprar batalhas longas e desgastantes. Ser de esquerda é, na batalha, não usar os métodos do inimigo.
Fernando Evangelista

domingo, outubro 17, 2010

Religiosos que apoiam Serra…

Dom Bergonzini qual é a sua posição sobre pedofilia?



Quarta-feira, 25 novembro de 2009
O vendedor Diego Ferreira da Rocha, está preso desde anteontem no 6º Distrito Policial de Guarulhos, sob a acusação de tentar extorquir dinheiro do padre Romualdo Nunes de Almeida, 43, da igreja São João Batista. O suspeito teria exigido R$ 7 mil para não levar ao conhecimento público um suposto relacionamento amoroso entre os dois.
Em depoimento à polícia, o padre admitiu que manteve uma relação íntima com o acusado. Já Diego afirma que isso nunca aconteceu. Também diz saber que ele é pedófilo e que ia denunciá-lo por isso.
A polícia encontrou no arquivo do computador de Diego e-mails em que o acusado ameaçava o padre para que lhe desse dinheiro. A Diocese de Guarulhos disse que só se pronunciará sobre o caso depois de ouvir o padre, que teria saído da cidade depois que o escândalo se tornou público.
Para a polícia, o padre disse que conheceu Diego através de sites de relacionamentos. Os dois teriam iniciado um romance a partir de abril.
“Depois de um certo tempo ele começou a me pedir dinheiro para não falar para ninguém que tínhamos um relacionamento. Fui chantageado várias vezes”, disse o padre em seu depoimento.
Na primeira vez em que foi chantageado, ele teria entregue R$ 200 ao vendedor. Alguns dias depois, Diego teria exigido R$ 5 mil. E semanas depois o acusado teria exigido R$ 7 mil para não divulgar o envolvimento entre os dois.
“Se o padre não entregasse o dinheiro, o rapaz disse que iria procurar a Diocese, bispo Dom Bergonzini, e dizer para todo mundo da igreja que o padre era pedófilo”, disse um policial que não quis se identificar. O caso corre sob segredo de Justiça.
Acuado com as seguidas ameaças, a vítima registrou um boletim de ocorrência dia 29 de outubro no 2º Distrito Policial da Vila Galvão. Em seu depoimento, o padre admitiu que se relacionou intimamente com o acusado durante quatro meses.

* Celso Jardim

José Serra e seu boçal fundamentalismo de resultados


Agora que a campanha de José Serra afunda na lama do desespero fundamentalista, utilizando de falsificação grosseira patrocinada por entidade integralista.

Agora que o partido da candidato parte com grosserias contra padre que criticava tumulto oportunista que impedia uma missa.

Agora que está claro que o candidato que mente descaradamente em campanha para ocultar seus verdadeiros propósitos no governo, que é o corte nos programas sociais, a volta das privatizações com a entrega do país aos interesses estrangeiros.

Não há mais dúvidas que temos que juntar todas as nossas forças para derrotar nas urnas esta salada que reúne nazi-fascistas, fundamentalismos a granel, boçais de plantão, analfabetos políticos, inocentes úteis, jornalistas de aluguel, viúvas da Ditadura, madames assustadas, contrabandistas, corruptos diversos, gente honesta mal informada etc, etc, etc.*
*abundacanalha



A CNBB desmente o boato...
O candidato da direita brasileira está sendo assessorado por estadunidenses do Partido Republicano. Quer pautar, seja pela via ingênua como essa da fotografia, seja pela via criminosa através de calúnias e difamações, temas ancestrais do imaginário popular brasileiro, agora, numa agenda político-eleitoral de última hora. Eles – os tucanos e os republicanos – bolaram um menu de tabuísmos e disfemismos que ainda podem assombrar a ingenuidade de indivíduos crédulos e incomplexos. Exemplos: exploração de preconceitos sexuais relativo à prostituição (disfemismo); debate raso sobre o tabu do aborto, lançado para provocar comoção, histeria religiosa e temor gratuito em espíritos singelos e indefesos; moralidade prescritiva ao Outro, como forma preventiva e de isenção do Eu (caso Mônica Serra ), etc.
Ora, essa ordem de temas propostos pela central de inteligência eleitoral tucano-republicana mexe no substrato mais arcaico depositado (em repouso) no fundo escuro da imaginação popular. A intenção astuciosa é a de agitar esse material em repouso e, assim, turvar a capacidade de discernimento e embrutecer a acuidade das pessoas, revolvendo os velhos sedimentos de extratos religiosos, deformações culturais, conceitos mal assimilados, inconsciência primitiva, normas introjetadas e moral recebida. Uma aventura algo arriscada, sem nenhuma garantia de êxito, mas é o que restou para uma direita esvaziada de bandeiras políticas, acuada eleitoralmente, deserta de proposições de totalidade e perdida num mundo que lhe é hostil – os valores do popular e do democrático que os brasileiros aprenderam a preservar e construir nestes últimos oito anos no Brasil.
Em 31 de outubro, derrote a direita, derrote o velho obscurantismo de roupa nova (de grife), a mídia das oligarquias e a ameaça regressista no Brasil: vote 13, vote Dilma.






Serra e Tasso tumultuam missa no Ceará


Durante a missa em homenagem a São Francisco, o padre que celebrava o ato religioso reclamou do tumulto causado pela presença de José Serra. Ao final, reclamou da distribuição de panfletos contra Dilma, provocando a revolta de Tasso Jereissati.
A visita do presidenciável José Serra (PSDB) a Canindé, durante os festejos em homenagem a São Francisco, terminou em confusão entre o padre que celebrava a missa das 16 horas e tucanos. Entre eles, o senador Tasso Jereissati, que tentou tirar satisfações com o religioso – cujo nome não foi informado pela secretaria paroquial da Basílica – depois que ele, no fim da celebração, reclamou da distribuição de panfletos contra a também candidata à Presidência, Dilma Rousseff (PT).
O material apresentava três motivos para não votar na petista e, segundo o padre, estavam sendo distribuído durante a missa. Assinada pelo Instituto Vida de Responsabilidade Social, e apresentando dois números de CNPJ, ele afirmava, por exemplo, que Dilma é a favor do aborto, envolvida com as Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc) e que “nunca na história desse país houve tanta corrupção”.
Com um exemplar do material em mãos, já no fim da celebração, o padre reclamou: “Estão acusando a candidata do PT de várias coisas, afirmando em nome da Igreja. Não é verdade! Isso não é jeito de se fazer política! A Igreja não está autorizando isso”, bradou o padre, provocando os aplausos de fiéis e a revolta de Tasso, que partiu para cima do altar, sendo contido por uma assessora e pela esposa, Renata Jereissati. “O senhor não pode fazer isso”, repetia Tasso. Nesse momento, o padre sumiu do recinto, e não conseguiu mais ser localizado pela imprensa. Ao mesmo tempo, presentes gritavam os nomes tanto de Serra como de Dilma.
Enquanto isso, o candidato do PSDB ao Planalto agia como se nada estivesse acontecendo. Quando a confusão já estava generalizada, Serra continuava com o semblante tranquilo, sentado na primeira fileira do recinto, conversando e tirando fotografias com eleitores. Pouco depois, saiu escoltado por seguranças e correligionários, sem dar entrevista.
Tasso, por sua vez, não ficou calado, e acusou o sacerdote. “O padre é petista. Tá ali com uma bandeira petista dentro da Igreja. São esses padres que têm causado problema na Igreja”.

Reclamações

Antes, ao longo da celebração, a missa já vinha tumultuada. Depois que Serra chegou e tomou assento, uma multidão de fotógrafos, cinegrafistas e jornalistas o rodeou. O padre reagiu imediatamente. Ele lamentou que, “infelizmente”, nem todos tinham ido à missa com o mesmo objetivo: louvar São Francisco. “Não me refiro a A ou B, mas àqueles que estão conversando e tumultuando. A prioridade aqui é a palavra de Deus. Se você está aqui com outra intenção, assim como você entrou, pode sair”.
Em outro momento, nova reclamação: “Vocês não vieram aqui para ver os políticos. Vocês vieram aqui para ver quem? São Francisco”. Na comunhão, mais reclamações: “Estão atrapalhando com filmagens. Não é assim que se faz política, não. Estão atrapalhando a celebração do começo ao fim. Lamentavelmente isso é uma profanação”, disse.
E-Mais
TUMULTO APÓS A MISSA. A confusão que começou na Igreja terminou do lado de fora. Apoiadores de Serra e Dilma trocaram insultos e provocações, dificultando a entrada de José Serra e demais tucanos na van que os levaria para o local onde estava o helicóptero com destino a Fortaleza. Até briga com bandeiras aconteceu no local.
O NOME DO PADRE. Entre os nomes do padre informados por membros da organização do evento religioso estavam Francisco e João Amilton. Ninguém informou de onde ele é.
PROFISSIONAIS DA MENTIRA. Durante encontro com tucanos, Serra afirmou que está sendo vítima de “profissionais da mentira”. “Se não fosse a minha história, eu estaria abalado. Mas eu tenho uma mola. Quando mais bate, mais eu cresço”.
LÚCIO ALCÂNTARA. Serra também fez referência ao seu mais novo apoiador no Ceará, o ex-governador Lúcio Alcântara (PR), que, no primeiro turno, fez campanha para Dilma Rousseff (PT). Segundo o tucano, Lúcio foi seu colega durante a Constituinte de 1988 na Câmara dos Deputados e também durante sua passagem pelo Senado. “Devo a ele um dos principais avanços na área da Saúde, que é o Sistema Nacional de Transplantes”. Antes, o ex-governador havia afirmado que o tucano representa um “novo compromisso com o futuro do Brasil”.
MÃO SANTA. O senador não-reeleito Mão-Santa (PI) também esteve no encontro tucano, e atacou o PT. Disse que a vitória de Serra irá ajudar a “enterrar a bandeira do PT, e tudo que ela representa, como a corrupção”.
CURRAL. Já Tasso atacou Dilma. “É bom lembrar uma frase dela, dizendo que nós brasileiros precisamos ajudar o Nordeste. Como se o Nordeste fosse uma porcaria à parte”. E disse que ela não visitou o Ceará porque pensa se tratar de curral eleitoral, onde votos estão garantidos.

out 17 2010

Carta aberta à CNBB

Categoria: Política,ReligiãoSenhor_do_Servo @ 08:12
Carta Aberta à CNBB.
São Paulo 17 de outubro de 2010.
Como membro da CJP-SP fui chamado pelo Deputado Estadual Adriano Diogo a registrar o flagrante de crime eleitoral na Editora Gráfica Pana LTDA, que foi contratada pelo Bispo Diocesano de Guarulhos para reproduzir 2,1 milhões de panfletos falsos da CNBB e estava para distribuir, ontem, pelo país 1,1 milhão de cópias do material e fiz estes registros, por ter ciência da orientação de nossa Comissão Brasileira de Justiça e Paz a partir do documento que li, recebido dias atrás sobre a falsificação de panfleto em nome da CNBB.
A encomenda foi realizada a pedido Mitra Diocesana de Guarulhos conforme imagens abaixo, a saber: email de encomenda, cópia do boleto bancário e carta de Dom Luiz Gonzaga Bergonzini ao Pe. Jean Rogers Rodrigo de Souza, solicitando distribuição, que encaminho também anexo para divulgação, uma vez que constituem a documentação probatória da encomenda e do crime eleitoral praticado.
A gráfica iria entregar 2,1 milhões de panfletos, cuja informação fornecida pelo gerente da empresa pego em flagrante, pode variar em sua tiragem de 20 a 50 milhões. Foram apreendidos somente 1 milhão dos panfletos falsos, cuja liminar de apreensão já foi expedida pelo juiz responsável. Isso significa que muitos panfletos podem ter sido feitos em outras gráficas e continuarão a ser distribuído pelo país, caso não haja uma ação efetiva da CNBB.
Penso que nossos Bispos devam considerar, dada a gravidade dos fatos, encaminhar a Nota de Esclarecimento elabora no encontro de Itaici, para ser lida em todas as paróquias, em todas as missas do próximo domingo, sua publicação no Jornal O São Paulo e demais revistas e jornais católicos, bem como a leitura nas Tvs e rádios da igreja, buscando por fim ao assunto.
Recomendo esta atitude para nossos pastores reunidos em Itaici, entendendo ser este um gesto que favorecerá a distensão dos mal-entendidos provocados, visando o amplo esclarecimento dos fiéis que receberam tal documento apócrifo e criminoso, sobre a real posição de nossos bispos do Regional 1 e da CNBB, contribuindo desta forma para serenarmos os conflitos gerados entre os católicos, reafirmando a integridade da CNBB e reforçando a cidadania, a democracia e a livre escolha de todos os brasileiros, tão atingidas com esta manifestação difamatória, que desvirtua o foco do debate que interessa à nação e o sentido das eleições de 2010.
A cisânia que a calúnia, as ofensas e as mentiras imputadas geram entre aos cristãos, por ações como está promovida pelo Bispo Diocesano de Guarulhos, estão explicitadas de forma dramática nos fatos que ocorreram hoje em Canindé, no Ceará, onde a missa acabou em TUMULTO, uma vez que o padre corretamente,  informou aos presentes que o documento que estava sendo distribuído na missa era falso e acabou sendo atacado por um político, durante a celebração. Pergunto aos nossos Bispos da CNBB; quando na igreja uma missa tão tradicional como a de Canindé, acabou desta maneira?  Os fatos demonstram a gravidade do momento e a tentativa de aparelhamento do sentimento religioso em nosso país, conforme nota publicada pla CNBB.
Faz-nos refletir a justeza das palavras da candidata Dilma Rousseff, divulgadas na imprensa recentemente, sobre a campanha de ódio que estas ações subterrâneas estão gerando nos corações e mentes dos brasileiros por todo nosso país. Isso pode ficar mais grave ainda, se não for feita uma ampla campanha de esclarecimento junto aos fiéis. A CNBB e o país tem muito a perder com isso. É preciso por um basta a esta campanha baseada na mentira, na calúnia, na difamação!
Só a Verdade nos libertará.
Atenciosamente:
Marcelo Zelic
Vice-presidente do Grupo Tortura Nunca Mais-SP e membro da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo; Coordenador do Projeto Armazém Memória
*estadoanarquista

Exorcismo: Serra foi convidado a se retirar da igreja

Terminou em tumulto uma missa hoje (16) na Basílica de São Francisco das Chagas, que fez parte da agenda de compromissos do candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra.
Serra e seus apoiadores foram assistir à missa de encerramento dos festejos de São Francisco, padroeiro de Canindé.
No final de celebração, o padre disse que eram mentirosos os panfletos que circulavam na igreja afirmando que a candidata petista, Dilma Rousseff, era a favor do aborto e tinha envolvimento com grupos terroristas como as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).
O padre disse que aquelas mensagens estavam sendo atribuídas à igreja, mas que ela não autorizava esse tipo de publicação em seu nome. 
Tasso Jereissati discutiu com o padre antes de ser expulso
O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que acompanhou a missa ao lado de José Serra, se exaltou e afirmou que era um “padre petista” como aquele que estava “causando problemas à igreja”.
Militantes do PT, com bandeiras com o nome de Dilma, estavam na porta da basílica na saída da missa. Houve um princípio de briga entre eles e os militantes do PSDB.
O panfleto não assinado que circulou na igreja falava em três “grandes motivos para não votar em Dilma”. O texto acusa a candidata de ter se envolvido com as Farc, de ser favorável ao aborto.    
Durante a missa, a chegada de Serra e seus apoiadores causou um tumulto. O padre pediu que os políticos não atrapalhassem o objetivo principal da cerimônia, que era a veneração a São Francisco, a comitiva de Serra teve que sair da igreja porque os fiéis presentes na missa reprovaram o oportunismo do tucano.



Dom Bergonzini, o bispo de Guarulhos, combate Dilma e não combate a pedofilia

Diocese do bispo que acusa Dilma tem grave caso de pedofilia
História, Música e Sociedade

Dom Bergonzini, o bispo de Guarulhos que mandou fazer 21 milhões de panfletos clandestinos contra Dilma com a grana dos fiéis, deveria se preocupar com sua própria Diocese, em Guarulhos. Ali, o padre Romualdo Nunes de Almeida, 43, da igreja São João Batista, é acusado de pedofilia e de manter relações homossexuais com o vendedor Diego Ferreira da Rocha, que tentou extorqui-lo. O padre ficava horas a fio em sites de relacionamentos procurando crianças e rapazes, diz o acusado.

A matéria completa sobre este caso saiu no Jornal da Tarde de novembro de 2009. O bispo até agora nada disse sobre pedofilia. Está mais preocupado em ajudar Serra com calúnias sobre Dilma.

*esquerdopata

Santinho de Serra é na Verdade Demoniozinho.

Serra lança um panfletinho falando em nome de Jesus. Ele quer ser presidente para terceriazar a justiça e a verdade para Jesus. Como sempre, terceirizar e não fazer nada.



Mas olhemos mais de perto o panfleto, e não nos esqueçamos que de que Deus avisou que o Diabo viria falar em seu nome para tentar enganar as pessoas.



"Novamente o Diabo levou Jesus a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles; e disse-lhe: Tudo isto te darei, se, prostrado, me adorares. Então ordenou-lhe Jesus: Vai-te, Satanás; porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás. Então o Diabo o deixou; e eis que vieram os anjos e o serviram".
Matheus, (Capítulo 4:1-11) 
*vendedordebananas

CNBB virou comitê central de campanha do Serra?. Quem está pagando a conta?


Panfletos assinados por um braço da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) recomendando voto contra Dilma  nas eleições foram encomendados pela Mitra Diocesana de Guarulhos.
Carta do bispo Dom Luiz Gonzaga Bergonzini que autoriza a impressão e distribuição dos panfletos anti-PT nas paróquias da região sul. Igreja diz que não pagou. Gráfica diz que recebeu mais de 3 mi...Quem pagou? Porque os padres estão mentindo?

Kelmon Luís Souza, católico ortodoxo, disse que encomendou, desde setembro, 20 milhões de panfletos em gráficas de São Paulo a pedido da diocese. Uma delas, com 1 milhão de panfletos, foi descoberta ontem pelo PT.Kelmon não revelou o custo da produção -só disse que "doações pesadas de quatro ou cinco fiéis" a bancaram.Podemos entender que essas doações são do PSDB, DEM e PPS?

Parte dos panfletos, que reproduz um "apelo a brasileiros e brasileiras" assinado pela cúpula da regional paulista da CNBB, foi distribuída no dia 12, em missas em Aparecida (SP) e Contagem (MG).

O bispo de Limeira (SP), dom Vilson Dias de Oliveira, disse ontem, em Indaiatuda, onde a regional está reunida, que a igreja investigará as denúncias. Esperem sentados. José Serra é o candidato oficial dos padres e da igreja. Sem nunca ter antes pisado em uma igreja.Ele defendeu que haja apuração policial para identificar quem financiou as impressões e os responsáveis pelas encomendas.

"Trata-se de uma denúncia séria e grave", disse.

A Diocese de Guarulhos é dirigida por d. Luiz Gonzaga Bergonzini, que já pregou voto contra Dilma Rousseff (PT). Ele não foi localizado.

Digitais do PSDB?

Quem está pagando essas e outras tantas impressões de cartilhas e panfletos da igreja católica e outros grupos?... Com certeza não está saindo do caixa oficial deles pois isso é vedado pela Igreja.

A maior probabilidade é que seja o PSDB, DEM, junto com as grandes multinacionais interessadas no pré-sal, riqueza do povo brasileiro, que estão despejando dinheiro na campanha de Serra. Este já começou a defender as privatizações de FHC e um dos membros da cúpula do PSDB já falou favoravelmente a privatização do pré-sal.

Por que pastores evangélicos iniciaram essa onda anti-Dilma? O aborto não parece explicação suficiente. Há outros interesses em jogo? E por que setores da Igreja Católica aderiram? 
*osamigosdopresidentelula

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário